1Q84 – livro 1 – haruki murakami


Na hora dei pouca bola, mas achei engraçado o fato de nunca ter pensado em ler algo de literatura japonesa. Já li alguns mangás, assisti filmes, mas nunca tinha lido literatura nipônica.

Dias depois fui atrás do livro Acordais, de Regina Machado. Vi quais livros podia encontrar do Murakami na Biblioteca Viriato Corrêa (rua Sena Madureira, 298) e estava lá 1Q84. Gostoso o fato de até hoje não ter conseguido o livro da Regina Machado.

Quando comecei a ler o 1Q84 – livro 1 mergulhei de imediato num mundo outro. Um mundo completamente diferente do meu, mas nunca tão próximo. Me senti no mesmo tempo. E esse tempo que é o meu, era poético e onírico e intrigante.

Murakami faz o texto se passar em 1984 (e também, em 1Q84), quatro anos antes de meu nascimento. Mesmo assim, muito mais próximo do que Casmurros, Macabéas e até pelo incrível que pareça Harry Potters. O texto de Murakami é cheio de referências – entre livros, músicas, marcas e cheiros. Sua curiosidade vai sendo instigada em tentar um mergulho nas sensações descritas no livro. E passo a passo Murakami dá suas aulas sobre escrita e narrativa.

Tengo e Aomame, Fukaeri e a Crisálida de Ar. O povo pequenino. A lua. Cada elemento é apresentado em seu momento. Cada traçado é forte. A ideia daquelas imagens cada vez mais fazendo parte de seu dia-a-dia. A alusão a 1984 de Orwell cada vez ganhando uma solidez e uma reverberação maior.

Murakami escreve um livro como um sonho. E na hora da leitura é delicioso sonhar.

Ainda não cheguei no Livro 2. Mas ele já está vivo, sendo sonhado em mim.

Minha intenção com esse texto é tanto instigar a vontade de quem o lê em conhecer o universo do Murakami, como o das Bibliotecas Públicas de São Paulo. A obra do Murakami é um tanto carinha, mas é só ir na biblioteca e pronto: de graça!

A intenção desse espaço é esta: falar sobre leituras, visitas a bibliotecas e treinar a escrita dos textos.

Aparecerei sempre.

0 visualização0 comentário

​mínimo diário, coletivo de outras artes-histórias

outono de 2021, em são paulo de piratininga

#InventeUmMeio #QualÉOTeuGesto #AceiteOsErros #OutrasVozes

  • mínimo diário - Instagram
  • mínimo diário - Facebook
  • mínimo diário - YouTube